domingo, 20 de agosto de 2017

Enquanto seus colegas do Supremo se mantiverem em silêncio, Gilmar continuará 'desimpedido', diz colunista


Imagem: Pedro Ladeira / Folhapress
O colunista Bernardo Mello Franco, da Folha de São Paulo, ironizou o "recorde" batido por Gilmar Mendes ao conceder 2 habeas corpus em 24 horas a um réu amigo. Franco ressalta, porém que a conduta não é "atípica" para Gilmar, que já soltou Roger Abdelmassih, Eike Batista e José Riva. E alerta: "Enquanto seus colegas do Supremo se mantiverem em silêncio, ele continuará a atuar assim: desimpedido".



Leia abaixo o texto de Bernardo Mello Franco: 

O ministro Gilmar Mendes bateu um recorde particular. Ele levou 24 horas para conceder dois habeas corpus ao mesmo réu. O felizardo foi Jacob Barata Filho, acusado de chefiar a máfia dos ônibus do Rio. Segundo a Procuradoria, o esquema distribuiu mais de R$ 200 milhões em propina a políticos.
O empresário caiu na Operação Ponto Final, um desdobramento da Lava Jato. Ele sabia que era investigado e foi detido quando tentava deixar o país com documentos sigilosos. Era um caso típico de prisão preventiva. Assim entendeu o Tribunal Regional Federal, que confirmou a decisão do juiz Marcelo Bretas.
Leia também: 
Fundo de R$ 3,6 bilhões ‘é um desaforo’, afirma Barroso
Processos sobre auxílio-moradia a juízes estão parados há três anos no STF

Na quinta-feira, Gilmar mandou soltar o rei dos ônibus. Bretas emitiu outra ordem de prisão, baseada em fatos diferentes. O ministro se irritou e disse à imprensa que a decisão era "atípica". No dia seguinte, concedeu um novo habeas corpus a Barata.
A decisão de Gilmar não foi "atípica". O ministro é conhecido por abrir as portas da cadeia a personagens envolvidos em grandes escândalos. Soltou o ex-médico Roger Abdelmassih, condenado pelo estupro de 37 pacientes. Soltou o empresário Eike Batista, suspeito de pagar propina em três esferas de governo. Soltou o ex-deputado José Riva, considerado o maior ficha-suja do país.
A novidade da vez é que o ministro foi padrinho de casamento da filha de Barata. O rei dos ônibus organizou uma festa-ostentação no auge dos protestos contra o aumento das passagens, em 2013. A PM de Sérgio Cabral, acusado de embolsar dinheiro do pai da noiva, foi acionada para proteger os convidados.
Além do laço nupcial, o Ministério Público apontou outros dois motivos para o ministro se declarar suspeito de julgar caso. Seu cunhado é sócio de Barata, e a mulher dele trabalha no escritório de advocacia que defende as empresas de ônibus. Gilmar não se constrangeu. Enquanto seus colegas do Supremo se mantiverem em silêncio, ele continuará a atuar assim: desimpedido.

Veja também:



Correio do Poder
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...