segunda-feira, 20 de junho de 2016

Novo estudo derruba discurso petista: desigualdade cresceu 3% no segundo mandato de Dilma


Imagem: Reprodução
A escalada do desemprego tem produzido um efeito adverso na distribuição de renda do país. Após anos de queda contínua, a desigualdade - a distância de renda entre ricos e pobres - voltou a crescer com força no primeiro trimestre deste ano.

A tendência é objeto de estudo do professor da USP Rodolfo Hoffmann, especialista em políticas sociais, que usou dados do IBGE para estudar o impacto da falta de vagas.

Crescimento de 3% na desigualdade

Desde o início do segundo mandato da presidente afastada, Dilma Rousseff, em 2015, a desigualdade entre os que compõem a força de trabalho (desempregados e ocupados) aumentou quase 3%. É bastante para um indicador que varia pouco ao longo tempo. Nesse período, a taxa de desemprego subiu de 7,9% para 10,9%.

O levantamento se baseia em informações da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), cuja série começou em 2012. E capta apenas os movimentos da renda proveniente do mercado de trabalho.

Veja o vídeo: 


Leia também: 
Em entrevista a Mariana Godoy, Dilma tenta desviar o assunto, mas acaba admitindo corrupção no PT; veja
Ministério Público mostra documentos que provam 'papel central' de Lula no esquema para calar Cerveró; veja
Dilma está sendo investigada pelo STF, mostra decisão que mandou Lula para o juiz Moro
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...