sábado, 29 de agosto de 2015

Grupo pró-PT e apoiador de Dilma sugere fuzilar a classe média; veja vídeo


Imagem: Reprodução/Youtube
“Se a gente entende que o nosso inimigo principal é a classe média, nós vamos ter de decidir o que vamos fazer com ela: se vamos exportar para Miami ou se vamos fuzilar.” Veja o vídeo com o áudio do momento:


A declaração, que chocou os participantes de uma palestra na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), na última quarta-feira (26), partiu do secretário do movimento popular socialista Brigadas Populares, Sammer Siman.

A reportagem sobre essa declaração foi publicada na edição desta sexta-feira (28) no jornal A Tribuna, assinada pelo repórter Vitor Carletti, da editoria de Política.

O grupo a que Sammer pertence apoiou a Presidente contra Aécio Neves (PSDB), no segundo turno das eleições presidenciais do ano passado. No primeiro, apoiou Luciana Genro (Psol).

Um áudio da palestra de Sammer na Ufes, em que foi apresentado o perfil socioeconômico dos manifestantes que foram às ruas no último dia 16 pedir o impeachment da presidente   Dilma Rousseff,  confirma a declaração.


Veja também:
'É um governo social-comunista demagogo, falam de igualdade enquanto andam em jatinhos pagos pelo contribuinte', diz Zé Ramalho sobre o governo Dilma
Vargas Llosa, vencedor do Prêmio Nobel, denuncia Dilma como cúmplice da ditadura venezuelana
Petição pedindo impeachment de Dilma supera 1,4 milhão de assinaturas
Impeachment de Dilma pode superar recorde da petição contra Renan Calheiros no Avaaz
Dilma pode ser condenada por crime de responsabilidade e perder o mandato presidencial, relata Josias de Souza
Manifestação que pede o impeachment de Dilma e anulação das eleições tem mais de 140 mil inscritosAntes de sugerir o fuzilamento da classe média, Sammer disse o que País precisa de outro projeto. “Se a gente pensa que é necessário recompor um projeto de nação, isso passa por recompor um projeto geral de sociedade”, disse, na ocasião.

Em entrevista a A Tribuna, Sammer afirmou ter sido mal interpretado: “A declaração foi em um contexto irônico porque há uma ausência de projeto de País.”

Apesar da declaração considerada radical pelos que foram à palestra, Sammer disse que o apoio ao governo Dilma não é incondicional. “Não sou contra a classe média e não estava defendendo o governo Dilma. O governo condena a classe média, enquanto deixa imunes os segmentos dominantes”, garantiu.


Leia também:

A sugestão de atacar de forma radical aqueles que querem a saída de Dilma da presidência não é novidade. Neste mês, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, e o presidente da Câmara de Porto Seguro (BA), Élio Brasil (PT), declararam disposição para “pegar em armas” para defender o mandato de Dilma, se a oposição insistir no discurso de impeachment.

Keyla Cezini 
Tribuna Online
Editado por Correio do Poder
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...