sexta-feira, 15 de junho de 2018

Procurador vê indícios de que o STF pretende 'radicalizar pró-corrupção'

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
Comentando a decisão do Supremo Tribunal Federal de contratar uma "sala VIP" para que os ministros não precisem ter contato com o público, o procurador de contas Diogo Ringenberg alertou: "Se depender de alguns dos ministros do STF ficaremos presos ao ATRASO, ou pior, levados à "venezuelização" do Brasil. As providências de isolamento dos ministros em aeroportos podem ser indicativos de que aquela Corte pretende radicalizar pró-corrupção. É necessário reagir".

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Procurador destroça Gilmar Mendes: 'Diz o que quer, ataca quem quer, e não aceita ser criticado. A liberdade de expressão é uma via de mão dupla'

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, vem reclamando das críticas a sua pessoa, e enviou uma queixa à Corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público porque um promotor o chamou de "o maior laxante do Brasil". Em sessão do Supremo, Gilmar Mendes ainda conclamou os outros ministros a "tomarem providências" contra as críticas que recebe de procuradores. O procurador Ronaldo Queiroz disparou: "Esse ministro diz o que quer, ataca quem quer, e não aceita ser criticado. A liberdade de expressão é uma via de mão dupla. Ou deveria ser...".

Procurador da Lava Jato faz alerta: 'Lá vem mais uma CPI do Congresso contra a Lava Jato. Está será a terceira'

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O procurador e coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, ironizou a criação da "CPI das delações", e escancarou os propósitos dos parlamentares: "Lá vem mais uma CPI do Congresso contra a Lava Jato. Está será a terceira... basta ler os relatórios das anteriores para entender para que vem esta".

General ataca decisão do STF que proibiu conduções coercitivas: 'A mentira e o silêncio deveriam ser agravantes. Pena aumentada por não elucidar os fatos'

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O General Eliéser Girão Monteiro manifestou sua discordância com alguns argumentos usados pelos ministros do Supremo Tribunal Federal para proibir as conduções coercitivas: "Ainda sobre a errônea decisão do STF de hoje, o direito de permanecer calado não deveria nem ser um direito. O sujeito sob a custódia do Estado TEM O DEVER de falar a verdade, sem omissões. A mentira e o silêncio deveriam ser agravantes. Pena aumentada por não elucidar os fatos".

sexta-feira, 8 de junho de 2018

'STF admite que o Congresso Nacional não representa a vontade do povo e que as eleições têm sido fraudadas através das urnas eletrônicas', afirma general

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O General Paulo Chagas apontou a incoerência dos argumentos utilizados pelos ministros do Supremo Tribunal Federal para derrubar o voto impresso: "O STF e a PGR  não acreditam na legitimidade da representação popular oriunda de eleições com URNAS ELETRÔNICAS, partem do princípio de que uma lei aprovada no Congresso Nacional não traduz a vontade da maioria do povo brasileiro!?". O General acrescentou: "O ATO FALHO REVELA A VERDADE. STF admite que o Congresso Nacional não representa a vontade do povo e que as eleições têm sido fraudadas através das URNAS ELETRÔNICAS!". 

'O atual STF precisa ser dissolvido, cada vez mais se transforma num órgão ditatorial que age contra os interesses da República', afirma investidor

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O especialista em investimentos Leandro Ruschel alertou para os rumos que o Supremo Tribunal Federal vem tomando, ao afastar-se da vontade popular e encastelar-se: "Quando 'autoridades' perdem a sua legitimidade, o único caminho é se isolar do povo. Assim nascem as ditaduras. O atual STF precisa ser dissolvido, cada vez mais se transforma num órgão ditatorial que age contra os interesses da República".

'Contei a gringos que no Brasil não dá para recontar votos, que a maioria dos brasileiros queria poder recontar, que o Congresso aprovou a medida, com a volta do voto impresso, mas que 7 ministros do STF proibiram. Eles riram', afirma jornalista

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O jornalista Mário Sabino, do site O Antagonista, resumiu o absurdo da decisão do Supremo Tribunal Federal que derrubou o voto impresso, mantendo para as eleições um sistema que não pode ser auditado: "Contei a gringos que no Brasil não dá para recontar votos, que a maioria  dos brasileiros queria poder recontar, que o Congresso aprovou a medida, com a volta do voto impresso, mas que 7 ministros do STF proibiram. Eles riram".
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...